Artigo

Categoria

Temas

Compartilhe

Muito se fala sobre o desenvolvimento de tecnologias para veículos elétricos. Eles têm se mostrado uma boa alternativa quando o assunto é diminuição da emissão de gases nocivos ao meio ambiente, ao mesmo tempo que são mais silenciosos, exigem menos manutenção e possuem um custo de rodagem até cinco vezes menor que veículos comuns. Embora vários modelos já tenham caído no gosto dos consumidores e sejam fortemente subsidiados em países como Estados Unidos, Japão, China e a maioria dos países da Europa, ainda faltam alguns detalhes e estudos para que a tecnologia se popularize e seja a preferida no restante do mundo. É por isso que muitas empresas privadas e instituições focam seus estudos no assunto. Nesse tema, a Certi concentra suas pesquisas principalmente em três vertentes: infraestrutura de recarga, fonte e distribuição de energia, regulamentação e novos negócios. Detalharemos cada um deles a seguir:

Tecnologias para veículos elétricos: 3 vertentes de estudos

A ideia de utilizar veículos movidos a energia elétrica não é nova, mas ganhou força em meados dos anos 2000 quando acentuou-se a necessidade de buscar alternativas para a emissão nociva de gases estufa. Alto custo e pouca autonomia sempre foram apontados como as principais barreiras para o avanço da tecnologia, porém, com o aprofundamento dos estudos, há uma mudança nessa visão. Desenvolver tecnologias para veículos elétricos é uma necessidade e uma vontade real de diversos empresários. Por isso, já avançamos muito em diversas frentes, como por exemplo:

Infraestrutura de recarga

O funcionamento de um veículo elétrico não é mais um mistério. Basicamente, o motor funciona alimentado pela energia vinda de uma bateria e pode ser carregado, inclusive, em tomadas comuns, como ocorre com aparelhos celulares. O problema está na massa e espaço necessários para que as baterias tenham a mesma autonomia de um carro comum, e no custo atual da tecnologia, de modo que a autonomia do veículo seja reduzida, em comparação com um carro a combustão, para aumento da competitividade comercial e viabilização técnica do veículo. Em uma realidade onde o motorista vai e volta do trabalho e o veículo pode passar a noite toda carregando, isso não chega a ser um problema. Mas, se pensarmos em uma viagem, seria necessária uma estrutura de postos adaptados ao carregamento de veículos elétricos e uma boa dose de paciência para realizar essas paradas.

 

Para transpor essas barreiras, as pesquisas em torno do desenvolvimento de veículos elétricos têm avançado no sentido de diminuir o tempo de recarga e aumentar o número de pontos de abastecimento. À medida que haja mais subsídios e a demanda aumente, haverá também maior necessidade para a instalação de pontos de recarga. Até esse ponto, os estudos já devem estar maduros o suficiente para fazer deste um grande negócio. Por isso, o empresário deve enxergar a infraestrutura de recarga como um foco de atenção para investimentos relacionados à tecnologias para veículos elétricos. Há oportunidades latentes tanto para quem deseja pesquisar formas mais eficientes de viabilizar infraestrutura, quanto na instalação de postos para carregamento.

 

Clique aqui e leia o material completo sobre o Eletroposto projetado pela Certi em parceria com a CELESC

Fontes de geração e distribuição de energia

Outra demanda que deve surgir a partir do momento que a frota de veículos elétricos aumente, é a por fontes alternativas de geração de energia e tecnologias que evitem com que o carregamento dos veículos impacte de forma negativa no sistema elétrico. A maior parte da energia elétrica produzida no Brasil vem de hidrelétricas. Como presenciamos em crises hídricas recentes, contar apenas com essa fonte pode ser arriscado. Portanto, buscar alternativas complementares para a geração também é foco de estudos. A energia fotovoltaica é um exemplo. Apesar de já bastante consolidada, é um tipo de fonte intermitente. Isso pode ser contornado com modelos híbridos, no qual várias fontes são utilizadas e, poderão fornecer energia de acordo com a disponibilidade e demanda. Dessa forma, estudos voltados à organização da distribuição dessa energia também estão em voga. Encontrar maneiras eficientes de captar energia de diversas fontes e distribuí-las é um desafio para as empresas e distribuidoras. O desenvolvimento tecnologias para veículos elétricos, portanto, depende diretamente disso.

Regulamentação e novos negócios

Por se tratar de uma área totalmente nova, a regulação do mercado que gira em torno das  tecnologias para veículos elétricos também precisa evoluir. Só assim será viável criar negócios relacionados ao abastecimento de veículos, infraestrutura de recarga, etc. Muitas vezes os novos negócios surgem antes mesmo de haver regulamentação para tal. Os órgãos responsáveis precisam entender, assimilar e aprovar leis, e, portanto, é necessário que haja conhecimento pleno sobre o contexto para que elas contribuam tanto para a sociedade, quanto para o desenvolvimento dos novos negócios. Por isso, a Certi trabalha na proposição de soluções e estímulo deste mercado, interagindo com os órgãos reguladores e setoriais, bem como, com associações relacionadas ao tema, para que novos negócios possam ser construídos no país.
Está interessado em desenvolver projetos nessa área? Entre em contato conosco, envie um e-mail.

Diretor Energia Sustentável CERTI

certi@certi.org.br

Artigos Relacionados

8 de março, 2017/ Bioeconomia

Veículos elétricos no Brasil: quando a tecnologia deve ganhar força?

Uma reportagem publicada pela revista Exame no mês de janeiro deste ano anuncia: “2017 é o ano dos carros elétricos “populares” – não para o Brasil”. Segundo o canal, entre 2017 e 2020, [...]