Artigo

Compartilhe

Pequenas e grandes empresas já perceberam há algum tempo que  ambientes colaborativos estimulam melhores resultados. Estas empresas se esforçam para ter equipes com múltiplas habilidades e capacidade de cooperar com o todo a ambiente interno e externo.

Mas você já parou para pensar que essa interação também vale para o relacionamento entre diferentes empresas de tecnologia? Quando cada uma delas têm habilidades diferentes, mas complementares, as chances de que todas cresçam juntas aumenta. O ambiente que proporciona a interação de diferentes atores que inovam é o que chamamos ecossistema de inovação.

Na biologia, a palavra ecossistema significa um conjunto de comunidades que, aliadas a fatores externos, colaboram entre si para a sobrevivência de todas. O mesmo ocorre quando empresas de tecnologia, universidades, fundações, governo e sociedade se unem para favorecer o crescimento da inovação e colaborarem umas com as outras. Isso pode acontecer ao acaso, mas o mais comum é que essa interação seja promovida e estimulada.

Florianópolis é um exemplo de como a criação de ambientes colaborativos pode formar um ecossistema de inovação sólido. A cidade vive um boom do setor de tecnologia e é a prova de que “a união faz a força” não é só um chavão. É claro que é possível que as empresas, se estivessem separadas fisicamente, conseguissem ainda assim manter-se e desenvolver-se. Porém, o fato de estarem juntas contribui de forma orgânica para a colaboração e cooperação, assim como ocorre na natureza.

O que faz um ecossistema de inovação?

Um ecossistema de inovação é formado basicamente de um conjunto de atores e mecanismos de estímulo à cooperação, como incubadoras, parques tecnológicos, associações e ambientes de inovação de todos os tipos. Esses locais são o ponto focal, por exemplo, para a criação de programas para a promoção de novos talentos, ambientes para palestras sobre inovação, rodadas de negócio, novas ideias e projetos, etc.

Trabalhando juntas, as empresas são beneficiadas por fatores como:

Troca de experiências

Mesmo que estejam há algum tempo no mercado, empresas de tecnologia sempre trabalham com o novo. Sendo assim, os desafios são constantes e o aprendizado é sempre desafiador. Em ecossistemas de inovação é possível trocar ideias e aprender com os erros dos outros, ver de perto e contribuir é sempre melhor do que ficar sabendo ou ouvir falar. Assim as empresas crescem mais rapidamente e adquirem vantagens competitivas frente àquelas que precisam aprender tudo sozinhas.

Reconhecimento da comunidade

O status de estar alocado em um ambiente que constitui um ecossistema de inovação é importante para a comunidade e os clientes. Um parque tecnológico, por exemplo, à medida que se consolida e passa a ser conhecido, acaba sendo um bem da comunidade, algo a ser admirado e apoiado por aqueles que se interessam por tecnologia.

Redes de indicação

Ver de perto como a outra empresa trabalha traz mais segurança para indicá-la como parceira. Em um ecossistema de inovação sólido, as empresas crescem próximas e confiam no trabalho umas das outras. Para o cliente isso é vantajoso, fica mais fácil quando os fornecedores estão juntos e colaboram entre si. Para as empresas, estabelecer uma rede de parcerias torna o trabalho mais fluido e eficaz a cada projeto.

Interesse dos jovens

Captar novos talentos é um desafio constante em empresas de tecnologia. O status de estar em um ecossistema de inovação torna isso mais fácil. As empresas, já visadas pela comunidade, são procuradas por jovens que querem trabalhar em uma delas, ou mesmo empreender na área de tecnologia. Dessa forma, o ecossistema cresce e se fortalece.

Coordenadora de Projetos de Empreendedorismo Inovador

certi@certi.org.br

Leandro Carioni

Diretor de Empreendedorismo Inovador

certi@certi.org.br

Artigos Relacionados

12 de dezembro, 2017/ Produtos e Sistemas

Tecnologia aberta e nacional: Conheça a CERTI NIO

Temos falado aqui no blog sobre tecnologia aberta e nacional sob diversos ângulos. No post “Desenvolvimento de hardware para plataformas IoT no Brasil” comentamos o quanto pode ser interessante [...]

30 de novembro, 2017/ Produtos e Sistemas

O futuro do desenvolvimento para IoT: quanto menor, melhor

O futuro do desenvolvimento para IoT depende muito do tamanho físico dos equipamentos eletrônicos. Quem trabalha com desenvolvimento eletroeletrônico sabe que, de um modo geral, existe uma [...]

23 de novembro, 2017/ Produtos e Sistemas

5 passos para escolher a tecnologia ideal para o desenvolvimento de IoT

No texto anterior falamos sobre o “Desenvolvimentos de hardware para plataformas IoT no Brasil”. Nele explicamos como o governo brasileiro tem se preparado para incentivar iniciativas [...]