Artigo

Temas

Compartilhe

Você viu no post sobre lei de informática que a isenção de impostos para empresas que decidem investir em pesquisa e desenvolvimento é um importante incentivo. Hoje veremos que a captação de recursos para inovação tecnológica também é uma ferramenta para as empresas que querem inovar. Para inovar com bons resultados, alcançando a competitividade mercadológica e níveis mundiais de desenvolvimento de produtos, muitas vezes é preciso altos investimentos. Um importante ponto é que, além dos altos custos exigidos para uma inovação, são também altos os riscos envolvidos. É evidente que ninguém deseja colocar a própria empresa em uma situação complicada no que diz respeito à saúde financeira. Por isso, existe uma série de financiamentos destinados exclusivamente às empresas que têm bons projetos de inovação. Alguns destes financiamentos bancam parte dos custos, o que contribui para reduzir o risco. Outros, ainda, são totalmente não reembolsáveis, ou seja, o dinheiro emprestado não precisa ser devolvido. Veja se sua empresa está apta para a captação de recursos de inovação tecnológica:

Modalidades de captação de recursos

Existem diversas maneiras de ter acesso à captação de recursos para inovação tecnológica. Neste texto abordaremos duas: aquelas nas quais as empresas precisam efetivamente pagar pelo valor investido, por meio de empréstimos em condições favoráveis, e outras onde todo ou parte do valor vem de um fundo para inovação, os chamados aportes financeiros. Conheça algumas das fontes dessas modalidades:

Linhas de crédito

São como empréstimos comuns feitos por pessoas físicas ou empresas. A diferença é que, como possuem condições especiais, a empresa precisa demonstrar com um projeto a viabilidade do negócio. Existem diversas fontes de captação de recursos para inovação tecnológica, a escolha vai depender do tipo do produto, valor necessário, condições para a execução do projeto, garantias (bens e direitos ofertadas para a instituição financiadora) e da aprovação de crédito (idoneidade e histórico do negócio dos sócios, cumprimento de obrigações tributárias, INSS, empréstimos anteriores, etc.). Estes dois últimos, inclusive, são os principais entraves observados no processo. Conheça as principais fontes para captação de recursos:

BNDES – Por meio do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico Sustentável é possível ter acesso a linhas de crédito em diversas modalidades. A escolha depende do segmento da empresa, da quantia, do tipo de inovação, etc. Alguns exemplos são: Cartão BNDES, BNDES Automático, MPME Inovadora, Proengenharia. Uma das finalidades do BNDES é, exatamente, tornar o Brasil forte do ponto de vista econômico em relação a outros países.

FINEP – A principal premissa para ter acesso às linhas de crédito da financiadora de estudos e projetos (Finep) é que o projeto deixe algum legado para o país. Os empréstimos usam como fonte o dinheiro proveniente dos recursos naturais pertencentes à União, parcelas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de certos setores e de Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) incidente sobre os valores que remuneram o uso ou aquisição de conhecimentos e transferência de tecnologia do exterior.

O acesso aos recursos de crédito da Finep se dá por meio de alguns programas, dentre eles o Inovaempresa e o Finep 30 dias. O inovaempresa é uma parceria com o BNDES através de editais voltados à P&D&I para setores estratégicos.

Aportes Financeiros

Os aportes financeiros são modalidades de subvenção que tem bancam total ou parte dos projetos inovadores. Eles têm como objetivo mitigar riscos inerentes ao processo de inovação e são direcionados aos temas de interesse nacional, ou seja, áreas estratégicas que possam trazer algum retorno para a nação. Quanto mais ousado o projeto, mais chances de conseguir esse tipo de recurso para inovação tecnológica. Algumas, inclusive, trazem como exigência firmar parcerias com institutos de pesquisa, o que é bastante interessante, pois apresentam uma ótima oportunidade de cooperação entre empresas e instituto de tecnologia. Confira alguns deles:

Finep – Além de empréstimos, o Finep também possui modalidades de subvenção. Há duas maneiras de acessar essa modalidade: atuando como parceira de uma instituição de pesquisa, como a Certi, ou por meio de recursos direcionados exclusivamente a empresas: a concessão de Subvenção Econômica à Inovação, fundamentada pela Lei no. 10.973. As regras da concorrência são divulgadas por meio de um chamamento público e os temas são estabelecidos em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Para saber mais, acesse o manual do programa.

BNDES Funtec – Nessa modalidade de incentivo à inovação, é imprescindível ter parceria com uma instância gestora e desenvolvedora de projetos de pesquisa da Instituição Tecnológica, como a Certi, por exemplo. Isso porque julga-se que é necessário uma instituição com alta capacidade de gerar pesquisa aplicada, desenvolvimento tecnológico e inovação.

SEBRAETEC – O programa nacional, e gerido pelos estados, é destinado principalmente às empresas pequenas ou iniciantes. O objetivo principal desse tipo de incentivo, mais do que apoio financeiro, é o de integrar e prestar consultoria. O SEBRAETEC oferece diversos cursos, consultorias, integra empresas que tenham negócios em comum, etc.

Outra modalidade de financiamento bastante vantajosa é o desenvolvimento de projetos via institutos credenciados ao Embrapii. A Embrapii é a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação na Indústria, e foi criada em 2013 com o intuito de promover a competitividade da indústria brasileira através do credenciamento de entidades aptas ao desenvolvimento subvencionado de forma desburocratizada. Ela é interessante porque permite, além da consultoria especializada em uma das suas credenciadas, o aporte de até 33% do valor total do projeto – o que significa investimento sem necessidade de retorno. Além disso, existe flexibilidade para o pagamento dos outros 67% se utilizando de financiamentos e incentivos fiscais.   A Certi é uma das unidades credenciadas e possui diversos projetos de sucesso com parcerias nessa modalidade. Por esse motivo, faremos um post exclusivo sobre como sua empresa pode ser uma das beneficiadas por essa modalidade de captação de recursos.

Se até lá você tiver qualquer dúvida ou queira conversar conosco, entre em contato.

Desenvolvedor de Negócios

certi@certi.org.br

Artigos Relacionados

22 de Março, 2018/ Produtos e Sistemas

Investir em inovação pode reduzir o seu custo de produção?

O custo de produção diz respeito a todos os gastos relacionados à produção de determinado produto. Eles podem ser divididos em diretos e indiretos. Os diretos são aqueles relacionados à [...]

16 de Março, 2018/ Produtos e Sistemas

Retorno sobre investimento: como fechar a conta da inovação?

O retorno sobre investimento é uma das preocupações fundamentais quando o assunto é inovação. Por mais que entendam a importância de inovar, a maioria dos gestores de empresas relutam em [...]

8 de Março, 2018/ Produtos e Sistemas

Por que a gestão da inovação deve ser uma prioridade na sua empresa?

A gestão da inovação engloba todos os processos relacionados ao planejamento e execução de projetos inovadores. Falar em metas e planos para algo que envolve uma boa dose de risco e criatividade [...]