Artigo

Compartilhe

No nosso post sobre as possibilidades da automação predial em smart buildings você viu que será possível controlar e automatizar praticamente todas as funções de uma casa, edifício ou condomínio. À distância, será possível travar e destravar portas, acender luzes, autorizar a entrada de pessoas na portaria, entre outras funções. No entanto, para ter, de fato, ambientes inteligentes, é preciso pensar na automatização das estruturas desde a construção do prédio até a conexão entre os equipamentos. Como tudo ainda é novo, não há consenso sobre padrões ou recomendações, nem informações do que é melhor ou pior nesses casos. Mas, de acordo com a nossa experiência no assunto, apresentaremos as possibilidades que já existem e a melhor forma de trabalhar cada uma delas.

Quais são os desafios dos ambientes inteligentes?

Como já mencionamos, para construir ambientes inteligentes  não basta instalar aleatoriamente equipamentos. É preciso pensar em cada detalhe, desde a estrutura até as conexões. Quando uma construção é feita do zero é mais fácil, pois é possível prever a evolução da tecnologia desde a planta da obra. Portanto, é importante que profissionais e empresários ligados à área fiquem atentos para as oportunidades. Isso, porém, não pode ficar restrito apenas a eles. Quando a construção já existe (o que será o caso, pelo menos no começo da transição) precisaremos adaptá-la para receber as novas tecnologias. Para que você entenda o passo a passo, imagine que queremos transformar a casa ou a empresa de um cliente em um ambiente inteligente. Veja o que será necessário levar em conta e observe as oportunidades para cada área:

Estrutura física – O primeiro passo será descobrir se a estrutura é capaz de receber os equipamentos que pretendemos instalar. Se a construção for muito antiga, alguns dos principais problemas que podem aparecer são: a rede elétrica antiga e as paredes muito grossas. Sabemos que o simples ato de ligar um computador em uma tomada quando a fiação é muito antiga já pode ser um problema. Imagine, então, quando tivermos vários equipamentos conversando entre si nos ambientes inteligentes? Pode ser que haja a necessidade de substituição da fiação. Melhora ainda se a comunicação entre os dispositivos for sem fio. A tecnologia usada pode ser o próprio Wi-Fi ou mesmo outras alternativas de baixo consumo de energia para curtas distâncias, como por exemplo ZigBee e Z-Wave

Resolvido o problema da rede elétrica, agora vamos pensar nas paredes. Quando elas são muito grossas, o que também é comum em construções antigas, acabam impedindo ou dificultando a passagem do sinal das conexões sem fio. A melhor alternativa é instalar roteadores mais potentes, passar cabos ou, eventualmente, alguma modificação no projeto arquitetônico.

Oportunidades: Como já citamos, há oportunidades para toda a cadeia ligada à construção civil. Profissionais como engenheiros e arquitetos que souberem projetar ambientes inteligentes terão um grande diferencial no mercado. Indústrias que produzem materiais de construção também poderão estudar novos materiais para estrutura de paredes, fiação mais eficiente e segura, etc.

Sensores e câmeras – Resolvidos os problemas estruturais, é a hora de instalar os equipamentos dos ambientes inteligentes. Começando pela colocação dos sensores, essenciais para identificar presença, abrir ou fechar portas, ligar ou desligar equipamentos à distância. Eles devem ser instalados em tomadas, portas, janelas, lâmpadas, etc. Esquecer uma luz acesa, por exemplo, nunca mais será um problema. Também é interessante colocar câmeras em locais estratégicos para segurança. Ao observar qualquer movimentação estranha, o sensor envia um alerta, o cliente acessa a imagem e verifica a necessidade de tomar alguma providência.

Oportunidades: Nesse tópico, há oportunidades para a indústria que produzirá esses sensores, ou para aquelas empresas que já fabricam equipamentos com sensores integrados. Outro mercado com grande potencial é o de segurança privada. Já que nos ambientes inteligentes ficará mais fácil verificar se algo estranho está acontecendo em sua casa ou escritório, haverá mais facilidade também em acionar algum serviço especializado de segurança remotamente.

Conexões – Elas precisarão ser inteligentes, robustas e, principalmente, capazes de formar uma rede sem fio a partir da interconexão entre os próprios equipamentos. Se o ambiente inteligente fosse construído hoje, provavelmente usaríamos redes Wi-Fi, comunicação de rádio de baixo consumo para curtas distâncias ou cabeamento de fibra óptica. Há ainda a possibilidade de conexão por meio de redes Mesh, onde cada aparelho funcionaria como um ponto de repetição, sem intermediários. As vantagens desse tipo de conexão são inúmeras: as interferências diminuem, a confiabilidade da rede aumenta e, caso algum dos pontos falhe, há diversos outros caminhos para a informação seguir.

Oportunidades: Ambientes inteligentes ligados por soluções de comunicação sem fio e redes Mesh já são possíveis, havendo oportunidade para o desenvolvimento de soluções e equipamentos que utilizem esse conceito. Empresas que invistam em pesquisa e desenvolvimento relacionados a esse tipo de solução tendem a obter produtos diferenciados, mais eficientes e competitivos.

O que ainda falta acontecer para que os ambientes inteligentes sejam realidade?

Quase nada. Já sabemos o que é possível e como poderá ser feito. O que precisamos é de  empresas interessadas em investir no desenvolvimento de novos produtos. Soluções desse tipo, se aplicadas em empresas, por exemplo, diminuiriam os custos operacionais, agilizariam processos produtivos e otimizariam resultados pelo acesso rápido a um conjunto de dados e capacidade do sistema de dar respostas e tomar decisões. É evidente que algumas dificuldades em relação aos ambientes inteligentes ainda precisam ser resolvidas, mas é justamente por isso que são uma grande oportunidade. Certamente haverá mercado para aqueles que encontrarem maneiras de resolver desafios relacionados às barreiras estruturais, espectro de frequência das ondas eletromagnéticas (cada vez mais saturado), grande número de interferências e economia de energia elétrica.

Sabemos que o mundo terá problemas graves de energia. Os meios alternativos de obtê-la poderão não ser suficientes se o consumo continuar aumentando exponencialmente. Os equipamentos dos ambientes inteligentes poderão ser uma alternativa a tendência de escassez de energia, já que são eficientes do ponto de vista da utilização pelo usuário e têm baixo consumo de energia.

Ou seja, o ambiente inteligente que imaginamos é possível, mas a consolidação de produtos alinhados com essa tecnologia ainda precisa de investimentos e pesquisa. Que tal começar agora? A CERTI possui uma equipe de profissionais altamente qualificados para o desenvolvimento de produtos e soluções completas para ambientes inteligentes, envolvendo tanto a parte de hardware, quanto de software.

Artigos Relacionados

12 de dezembro, 2017/ Produtos e Sistemas

Tecnologia aberta e nacional: Conheça a CERTI NIO

Temos falado aqui no blog sobre tecnologia aberta e nacional sob diversos ângulos. No post “Desenvolvimento de hardware para plataformas IoT no Brasil” comentamos o quanto pode ser interessante [...]

30 de novembro, 2017/ Produtos e Sistemas

O futuro do desenvolvimento para IoT: quanto menor, melhor

O futuro do desenvolvimento para IoT depende muito do tamanho físico dos equipamentos eletrônicos. Quem trabalha com desenvolvimento eletroeletrônico sabe que, de um modo geral, existe uma [...]

23 de novembro, 2017/ Produtos e Sistemas

5 passos para escolher a tecnologia ideal para o desenvolvimento de IoT

No texto anterior falamos sobre o “Desenvolvimentos de hardware para plataformas IoT no Brasil”. Nele explicamos como o governo brasileiro tem se preparado para incentivar iniciativas [...]